Muitas pessoas tentaram explicar como Bolsonaro chegou à presidência do Brasil. Afinal de contas, não é normal que alguém sem coligações, sem um partido expressivo, na sua primeira tentativa, chegue a ser eleito para este cargo. Isso sem contar tudo que o Bolsa (nos referimos assim a Bolsonaro) representa para o conservadorismo.

Observando tudo isso, percebi que Bolsonaro seguiu uma certa tática, para chegar até aonde chegou e, vendo que ninguém falava sobre isso, resolvi aqui apresentar o tutorial utilizado pelo presidente eleito;o passo a passo, para se tornar um presidente do Brasil.
Lembrando: aqui vamos fazer uma analise da estratégia de Bolsonaro. Não estamos idolatrando e nem criticando o mesmo.

Ocupar a mídia

Já falamos muito disso aqui. Pra quem quiser mais, pode ler o artigo que fizemos, quando notamos que a mídia daria a presidência ao Bolsonaro. Mas por quê? Para responder a esta pergunta, precisamos voltar a 2012.

Foi nesse ano que Bolsonaro começou a aparecer para o povão. Foi nesse ano que o então deputado federal fez diversas participações nos programas da RedeTV, SuperPop de Luciana Gimenez, A Tarde é Sua e afins. Estes programas sempre viveram de polêmicas para gerar audiência, quem não lembra do ET Bilu, por exemplo? Enfim… E se você quer polêmica no seu programa de TV nada melhor do que convidar Jair Bolsonaro e ficar jogando temas como aborto, prostituição, drogas e aí vai.Qualquer pessoa sã pararia de ir a estes programas, afinal de contas, ele era hostilizado pelos apresentadores e poderia pegar mal com o eleitorado. Mas não, incrivelmente Bolsonaro continuou indo a esses e a diversos outros programas. Isso o ajudou a se divulgar e fazer as pessoas falarem dele – bem ou mal, falem de mim.

Então, chegamos a 2013, com a revolta dos 20 centavos que culminou no impeachment da presidente Dilma Rousseff, somado com os escândalos do PT descobertos pela lava jato. Quando isso aconteceu, todos aqueles que criticavam Lula desde 2002 ganharam a razão, e um deles foi Bolsonaro. Foi aí então que começou o movimento “Bolsonaro Presidente”.
Quando Bolsonaro começou na corrida presidencial, ele tinha grande apoio da população, mas nada imbatível. Porém, a mídia e os jornalistas, em geral, cometeram um erro grave, ao invés de tratar o Bolsonaro apenas como mais um na multidão, continuaram utilizando a estratégia da RedeTV: jogando polêmicas pro candidato, que respondia e deixava o eleitorado ainda mais curioso sobre ele. Ao comparar Bolsonaro, que era um candidato que se posicionava, respondia mesmo e não estava nem aí, com os outros que ficavam no “veja bem” e não falava aquilo que o povo queria ouvir, o Bolsa teve um crescimento.

A Internet e os Memes

Como um candidato sem tempo de TV, sem fortunas de fundo partidário e com um partido minúsculo conseguiu colocar um cara na presidência? Pois é, o jogo mudou, e a internet é a maior culpada disso.

Mito to to

Bolsonaro moveu uma onda cibernética (como diria Haddad), principalmente impulsionada pelos jovens, pelos mememakers, que pegavam frases do candidato e usavam em vídeos da época do “Turn Down for What” e afins. Isso foi evoluindo a ponto de todos “zoarem” com memes com Bolsonaro presidente. Eu mesmo, conheci o Bolsonaro em um vídeo de Counter-Strike, onde o jogador narrava a gameplay imitando o Bolsonaro – e isso era um de milhares de vídeos com a mesma temática. Tudo isso rolava ao mesmo tempo em que muitos (mas muitos mesmos) jovens começaram, através do youtube, a se interessar pelos pensamentos de direita. Um fato que prova isso são os canais conservadores, que têm milhões de inscritos e estão sempre entre os mais relevantes do YouTube.

Isso formou pessoas que gostavam do Bolsonaro e gostava dos pensamentos de direita. E o que o Bolsa fez? Abraçou essa galera e começou a zoar com os esquerdistas, ao mesmo tempo que estava aberto às pessoas, sempre ativo nas redes sociais, fazendo seus vídeos para o YouTube. Bolsonaro fez lives indo comer no Subway, andando de moto em casa… Acho que isso elucida um pouco mais o que queremos dizer. Que a popularidade de Bolsonaro está na internet – ele passou 4 anos se dedicando a isso, para depois conquistar os outros públicos. Enquanto certos candidatos estavam atrás do “centrão” pra ter tempo de TV, o bolsa estava atrás dos principais canais de direita do YouTube.

Crie uma marca

Sempre que queremos divulgar uma ideia, uma iniciativa ou até mesmo um negócio, uma das premissas básicas é criar uma identidade visual, uma imagem, um logotipo, que remeta a quem observa uma ideia e sirva de identificação da mensagem ou do emissor.
Não necessariamente esta marca precisa ser algo estático, ou precise ser algo artístico. Pode ser uma frase, uma roupa, ou até mesmo, um gesto!

O Avançar de Doria, Presente em toda a sua campanha

Seguindo está linha, podemos deduzir que Bolsonaro criou uma marca para si: o gesto de arma com as mãos. Assim como João Doria também já utilizou, com os dedos em forma de seta, que significa avançar, algo que foi reproduzido em toda a sua campanha. Bolsonaro fez o mesmo, desde o início. Talvez motivado pelos memes que se sucederam, Bolsonaro adotou pra si o gesto de arma (ou pistolinha de dedo). Esse gesto se arrastou durante boa parte da sua campanha.

Esta marca que o bolsa criou é interessante, porque nos remete a várias ideias que o candidato quer passar. Por exemplo, qual é a sua reação ao ver uma arma de fogo? Medo? Apreensão? A Arma de fogo representa a autoridade. Quando você vê uma arma, principalmente se estiver na mão de alguém, automaticamente você nota e reconhece a autoridade. Essa ideia e este gesto se encaixaram perfeitamente com Bolsonaro, que é o candidato que quer impor respeito, autoridade, combater a corrupção, defender a família e os valores. Além de ele ser militar e propor a revogação do estatuto do desarmamento, isso só valoriza ainda mais a marca.

Como estamos falando de uma marca que nada mais é do que um gesto com as mãos, fica mais fácil para as pessoas que gostam dele a sair reproduzindo isso por aí, e nada melhor do que o boca a boca para te divulgar não?

Aproprie-se da Bandeira

Durante as manifestações que tivemos no país o símbolo utilizado para representar aquele movimento era a bandeira do Brasil e as camisas verde e amarelo. Nenhuma outra bandeira era aceita, nem de partidos nem de outros movimentos sociais, apenas a bandeira do Brasil, que ali servia para mostrar que era um movimento do povo. Como já explicamos, a ascensão de Bolsonaro se deve (e muito) às manifestações contra o governo Dilma e à corrupção.

Manifestações de 2013

Assim que iniciou sua campanha, Bolsonaro logo tratou de se “apropriar” da bandeira, com o slogan “Nossa bandeira jamais será vermelha”. Isso ficou muito evidente, quando se via as manifestações do lado do PT, com a cor majoritariamente vermelha, e com os movimentos a favor de Bolsonaro, majoritariamente amarelo. Isso gerou um impacto visual muito grande, pois quem era leigo sobre política, ou não tinha ainda escolhido seu candidato, ao ver varias pessoas com a bandeira do Brasil de um lado, e do outro a bandeira de um partido, a maioria tinha mais simpatia pelo verde e amarelo.
Isso é fato, tanto que posteriormente, o PT tentou também “largar” o vermelho e ser mais Brasil, mas aí… já era tarde demais…

Manifestações Pró Bolsonaro

Por fim…

Sem sombra de dúvida, Bolsonaro foi o candidato que mais tirou proveito da internet, das redes sociais e afins, isso foi a base da sua sustentação eleitoral. Foi a partir disso que ele conseguiu levar um partido minúsculo a ser a 2ª maior bancada da câmera. Mas claro que não foi só a internet. O verdadeiro estopim foram as manifestações de 2013. Foi ali que tudo começou e terminou, agora, com Bolsonaro Presidente.

Apenas um rapaz latino americano que busca seu lugar ao Sol, formado em Tecnologia da Informação porém amante de humanas. Ao se deparar com diversas situações do dia a dia, reflete sobre todas elas, e dessas reflexões as vezes sai uns conteúdos bons que a gente posta por aqui mesmo.