Temos um novo aplicativo de transporte em São Paulo, e sim! Isso é muito bom, quanto mais opções, melhor. E como somos o podcast itinerante de SP não poderíamos ficar sem falar disso.

No dia 11 de outubro de 2017, as prefeituras do Rio de Janeiro e de São Paulo, através de Marcelo Crivella e João Doria Junior, assinaram um termo de cooperação, que levaria o aplicativo Taxi.Rio, já utilizado no Rio, para ser desenvolvido em SP.

O Taxi.Rio custa R$ 2 Milhões por ano para o Rio de Janeiro, mais foi repassado para SP na faixa para o desenvolvimento. A manutenção será feita com a participação da prefeitura no valor das corridas – valor que ainda não foi definido.

Parceria que fala?

E então, chegamos ao dia 2 de abril de 18, onde o Táxi SP é anunciado.

Então vamos lá, o objetivo aqui não é falar sobre o funcionamento e nem analisar o app, mas sim o que ele e representa

Agradar o eleitorado Taxista

Vamos aos fatos, não é de hoje que sabemos que o Uber, apesar de ser um app inovador e que mudou a vida de vários brasileiros, na maneira de trabalhar e se locomover pela cidade, incomoda a muita gente. Os taxistas, por pagarem taxas e respeitarem diversas normas que, ao meu ver, são abusivas, e o estado, pois temos um serviço extremamente popular e que não paga impostos, algo que é quase um pecado para a realidade brasileira.

Um fato interessante, durante as eleições de 2016 para a prefeitura de São Paulo, tínhamos Celso Russomanno (muito popular por aqui) disparando nas pesquisas de intenção de votos durante um bom tempo, até que um belo dia, ele se declarou publicamente “anti-uber” dizendo que iria fazer a tão temida regulamentação do serviço, que dentre várias medidas, pretendia obrigar a Uber a assinar a carteira de trabalho de seus motoristas. Isso, obviamente, foi um tiro no pé, já quem nem os próprios motoristas queriam isso. Daí então, Russomanno só caiu do gosto do eleitorado, ficando em terceiro lugar na eleição.

Isso foi importante para os outros candidatos que, assim como Doria, se declararam pró aos aplicativos.

Porém, contudo, passada a eleição, isso desagradou fortemente aos taxistas, que chegaram a fazer inúmeras mobilizações para forçar a prefeitura a fazer alguma coisa sobre o caso.

Doria fez algumas regulamentações básicas nos apps, nada que mudasse muito serviço, assim como também nos táxis e, agora, surge com um aplicativo que permite aos taxistas competir de igual para igual com Uber e companhia.

Estado vs. Privado

Doria é considerado por muitos o politico liberal; o representante da nova geração liberal brasileira; o cara que iria gerir a máquina pública como uma empresa. Se de fato foi isso, ou não, veremos em um podcast futuro. Mas a questão é: qual é o sentido da prefeitura entrar na briga com as empresas privadas?

Uma atitude desta fere os dois princípios básicos do liberalismo clássico do parceiro Bastiat: Livre Mercado e Participação mínima do estado em questões econômicas. Então, vamos trazer este pensamento para o caso deste artigo. Temos um mercado crescente de aplicativos de transportes: Uber, Cabify, 99 são empresas que estão disputando participação no mercado e movimentando a economia e empregando pessoas, ou seja, elas já estão disputando entre si! – e isso, segundo o liberalismo, é o ideal. Mas aí vem o Doria e faz o que? Lança um app de transporte. Ou seja, as empresas privadas têm que disputar entre elas mesmas, e depois disputar com o Estado. Não faz muito sentido, né?

Mas, pera aí…

MAS! Tem um detalhe importante que pode funcionar como um contra-argumento.
Os apps são legais. Na minha opinião, eles oferecem serviços 1000x melhor que os táxis, e são bem mais baratos e práticos. Mas… e os taxistas nessa história toda? Como faz o cara que é taxista há anos? Ou aqueles que são donos de empresas de táxi? Ficam à míngua? Viram todos Uber ou 99? Bem, talvez seja papel do Estado olhar para um mercado que está morrendo; olhar pelo trabalhador que está prejudicado e ajudar de alguma forma. E se foi esse o intuito de Doria, a atitude dele foi louvável em facilitar ainda mais a competição.

Bom, é uma discussão interessante, principalmente quando trazemos o liberalismo e fazemos essas comparações. Afinal, ser liberal é deixar o mercado se virar pra tudo ou ajudar quando necessário? Doria foi um liberal ou ramelou na missão? Veremos mais disso por aqui.

Referências:
https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/em-tom-de-campanha-doria-lanca-aplicativo-de-taxi-em-sao-paulo.ghtml
https://play.google.com/store/apps/details?id=br.gov.sp.prefeitura.sptaxi.passenger
http://www.capital.sp.gov.br/noticia/prefeitura-apresenta-aplicativo-taxi-sp
http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2017-10/prefeitura-de-sp-assina-convenio-para-implantacao-de-aplicativo-de-taxi
Imagem – https://www.brasil247.com/pt/247/sp247/292666/Doria-recua-e-diz-que-t
http://g1.globo.com/sp/sao-paulo/eleicoes/2016/apuracao/sao-paulo.html

 

Apenas um rapaz latino americano que busca seu lugar ao Sol, formado em Tecnologia da Informação porém amante de humanas. Ao se deparar com diversas situações do dia a dia, reflete sobre todas elas, e dessas reflexões as vezes sai uns conteúdos bons que a gente posta por aqui mesmo.